Informação sobre cólica, causas, sintomas e tratamento da cólica, identificando o diagnóstico da cólica menstrual, intestinal, renal e as cólicas em bebés, identificando formas de promover a sua prevenção ou de diminuir a sua ocorrência e intensidade.


segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Características psicológicas nas cólicas

Compreender a cólica infantil requer uma apreciação da experiência sobre este assunto e sobre o desenvolvimento da criança, da relação da mãe e da família e do meio social em que elas vivem.

com cerca de dois a três meses de idade, os bebés normalmente tornam-se mais atentos, socialmente responsáveis e conscientes da distinção do "eu" e "outro". Eles se tornam mais capazes de acalmar, interagir e dar prazer a seus cuidadores. Esta mudança ocorre com o desenvolvimento e a cólica desaparece. Estes avanços de desenvolvimento são mais suaves se o temperamento da criança for fácil, e a mãe for cuidadosa, intuitiva e auto-confiante, e se a relação entre eles se basear na reciprocidade suave.

Os pais normalmente têm ambivalência consciente e inconsciente em relação a seus bebés. Se a criança não é exigente ou difícil de controlar, e se as circunstâncias de suas vidas são agradáveis, os sentimentos positivos predominam e a vida familiar torna-se feliz. No entanto, se o bebé estiver com cólica, ressentimentos podem surgir à superfície da consciência da mãe.
Reconhecimento de sentimentos de raiva para com o próprio bebé desencadeiam ansiedade e culpa que pode levar a mãe a intensificar seus esforços em ser "uma boa mãe”. Se ela não for bem sucedida no controle do choro, sua ansiedade e a sua reação podem evoluir para um ciclo vicioso, causando profunda exaustão física e emocional, tornando-se mais evidente quando o relacionamento da mãe com seu parceiro é desprovida de fundamentos. Este estado de estresse prejudica a sua capacidade de acalmar o seu bebé e faz com que ela duvide de sua competência como mãe. O surgimento de sentimentos contraditórios ou alienados para com a criança, podem ultrapassar o limiar da razoabilidade. Cólica infantil pode, então, apresentar-se como uma emergência clínica. Mesmo nos casos que não são críticos, choro excessivo pode estar associado com atraso temporário de desenvolvimento da criança e disfunção familiar, podendo durar entre 1 a 3 anos após o nascimento do bebé.

ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL